Pesquisar no Blog
Síndrome de ansiedade de separação - o que é e como evitar
Cuidados

Síndrome de ansiedade de separação: descubra o que é e como prevenir o seu cão!

Entenda os motivos que levam o seu pet a sofrer com a ansiedade de separação e mude o que for preciso para evitar este problema

Uma das reclamações mais recorrentes de donos de pets atualmente é sobre a dificuldade que têm em deixar os peludos sozinhos. Saiba que isso é uma situação muito recorrente já que, cada vez mais, temos menos tempo para dedicar aos nossos melhores amigos no dia a dia. Cães que passam muito tempo sozinhos em casa, enquanto os tutores estão trabalhando, podem desenvolver vários transtornos por sofrerem de ansiedade de separação. 

A Síndrome de Ansiedade de Separação (SAS) é um problema que pode ocorrer em qualquer cão. Alguns especialistas em comportamento animal afirmam que pets que moram com apenas uma pessoa tem duas vezes mais chances de desenvolver o problema.

Geralmente, os mais afetados são os cachorros agitados e ativos que acostumam, desde cedo, seguir o tutor por todo lado e são estimulados a estar sempre por perto. Isso, aliado a falta de estímulos e atividades diárias – passeios, exercícios e brincadeiras – pode fazer o seu melhor amigo desenvolver uma série de comportamentos que nenhum dono sabe bem como lidar.

Solidão, que nada!

Os cães, por natureza, têm uma necessidade imensa de estar perto da matilha. Com a domesticação da espécie, os cachorros passaram a conviver mais próximos aos humanos. Eles nos consideram parte do bando e precisam de nós para se sentirem protegidos, garantir o alimento e abrigo.

 

Por isso, os pets acostumados desde cedo a receber atenção e carinho todo o tempo, podem sentir um “vazio” quando sozinhos. Essa solidão, associada a falta de estímulos mentais e físicos, pode ser o gatilho para uma série de comportamentos como:

– Latidos, choros e agitação excessivos

– Xixi fora do lugar

– Destruição de móveis e objetos

– Lambedura das patas

– Tremores

– Mordedura do rabo

– Raspar a porta

Por muitas vezes entendido como um mau comportamento, este transtorno causado pela ansiedade de separação em cães pode não ser resolvido de uma forma simples.

Broncas e punições, nestes casos, não são recomendadas. Em vez de resolver o problema, você pode acabar estimulando o pet a desenvolver outros transtornos. Por isso, vale muito a pena ficar atento aos sinais e prevenir o seu mascote.

Mudança de hábito

A primeira atitude que o tutor deve tomar é estar sempre atento ao comportamento do pet quando ele fica sozinho. Manter uma rotina saudável, com alimentação natural, prática de exercícios físicos e passeios também é fundamental. O excesso de energia acumulada é também uma das principais causas da Síndrome de Ansiedade de Separação.

Estimular o peludo mentalmente também é importante. Brinquedos e brincadeiras que imponham desafios ao cão são muito bem recomendados por especialistas em comportamento animal.

Vale a pena exercitar desde cedo a independência do peludo. Desde filhote, o cão deve aprender a ficar sozinho, mesmo quando você está em casa. Isso fará com ele entenda que estar sozinho não é o fim do mundo

Se você ainda não colocou em prática estas lições, não deixe que os primeiros problemas apareçam para começar. E para te ajudar ainda mais, nós criamos um super infográfico para você com 5 dicas para acalmar a ansiedade do seu pet!

E lembre-se: nunca é tarde para educar o seu melhor amigo!

Nenhum comentário encontrado.

Deixe Seu Comentário